“É muito triste, estamos morrendo”, diz cacique Xavante sobre ação da covid-19 entre indígenas.

“Não tem alegria não, é muito triste”, diz desolado o cacique Marcão Xavante, por telefone à RFI Brasil, de Campinápolis, a 602km de Cuiabá (MT). O hospital da cidade atende a população de dez mil xavantes de 146 aldeias da região – a mais longe fica a 214km. “Existem mais óbitos [de coronavírus] entre as populações indígenas – 491 mortes, do que em alguns países da América Latina”, alerta o epidemiologista José Carlos Basta. O líder xavante explica que cada microárea tem um pequeno posto com um técnico e uma enfermeira, mas que todos estão com medo. Já são cinco óbitos, quatro pessoas internadas e 48 em isolamento. “Os indígenas estão se tratando nas aldeias com remédio caseiro, natural do mato, não temos máscaras, nem álcool gel”, diz. Segundo a APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), até o dia 12 de julho as vítimas eram de 491 mortes, 13.801 casos de contaminação e 131 povos étnicos atingidos no país. Campanhas pelas redes sociais e a imprensa internacional repercutem o descaso do governo brasileiro em relação ao problema.

Saúde e sobrevivência de etnias em risco

“A situação de vulnerabilidade imposta aos povos indígenas no presente momento vai além de problemas ambientais, doenças infecciosas e parasitárias, explica Paulo César Basta, epidemiologista e especialista em saúde indígena. “Os povos indígenas do Brasil na atualidade sofrem um ataque a seus direitos – humanos, originários, constitucionais e territoriais. E com isso estão colocando em risco a saúde e a sobrevivência de muitas etnias. Isso são consequências de ações do governo federal, que tem sistematicamente desqualificado os direitos indígenas e tem fomentado a invasão dos territórios tradicionais”, diz.

“Por conta disso, essas populações vivem em estado permanente de ameaça e vulnerabilidade e têm seus territórios invadidos com frequência por garimpeiros, madeireiros, por toda sorte de pessoas interessadas em ocupar a Amazônia e as riquezas presentes na região. Isso coloca as populações em situação de risco para vários agravos e problemas de saúde”, relata Basta, pesquisador titular na Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). “Podemos destacar, em relação à mineração: a destruição do meio ambiente, a devastação do território, a invasão de milhares de não indígenas, a poluição dos rios com o mercúrio utilizado no garimpo, a contaminação dos peixes e das pessoas. Além disso há o risco de transmissão de doenças infecciosas e parasitárias. Sejam respiratórias, como pneumonia, influenza e, atualmente, a Covid-19. Mas também doenças sexualmente transmissíveis, passadas por vetores, picadas de insetos. Costumamos dizer que no rastro do garimpo, segue também a malária”, segundo Paulo Basta.

Vulnerabilidade em várias dimensões

Sobre a questão de os indígenas terem sido uma população mais vulnerável a isso, o especialista diz existir uma polêmica. “Historicamente, muitos grupos étnicos foram dizimados em decorrência de doenças infecciosas e parasitárias, ao longo dos 520 anos da história da colonização no Brasil”, explica o médico.”Muitos foram extintos dessa maneira, principalmente por epidemias de sarampo, influenza, tuberculose, varíola. Então há pontos de vistas de que os indígenas sejam mais vulneráveis na questão imunológica, mas hoje em dia não há uma sustentação científica para embasar essa afirmação”, diz. “Costumamos dizer que essa vulnerabilidade tem outras dimensões, principalmente ambiental, relacionada às invasões, mas é também social, porque as populações tradicionais estão à margem da sociedade. O Estado brasileiro não oferece os serviços públicos adequados para essas populações, que têm acesso limitado aos serviços de saúde, seja consultas médicas, medicamentos, oportunidade de internação hospitalar, procedimentos cirúrgicos. Têm também acesso limitado à escolarização formal, a emprego, a renda. Isso tudo faz com que as condições de vida sejam bem diferentes da realidade da população urbana. Atualmente a principal ameaça é a Covid-19”, explica Basta.

Fonte/G1

%d blogueiros gostam disto: