Bagé irá adotar cogestão

Após a região de Bagé receber a bandeira preta no Distanciamento Controlado, o Município anunciou que irá adotar o sistema de cogestão para manter os protocolos da bandeira vermelha. “Estamos diminuindo os números de casos e internações, que são os principais pontos avaliados, por isso não aceitamos a bandeira preta”, afirmou o prefeito Divaldo Lara logo após o resultado da 35ª rodada do modelo do Governo do Estado nesta segunda-feira.

“Entendemos que tivemos outras cores no mapa em situações mais adversas do que a atual, por isso solicitamos a reconsideração. Como não foi aceita, adotaremos a cogestão e manteremos os setores em funcionamento, com os devidos protocolos”, explicou Divaldo, ressaltando que os prefeitos da região, inclusive os que assumiram recentemente, apoiaram o pedido de reconsideração.

Além de Bagé, os pedidos de Passo Fundo, Santo Ângelo e Cachoeirinha também foram indeferidos nesta segunda-feira pelo Gabinete de Crise.

Esta é a segunda vez que a região de Bagé recebe a bandeira preta dentro do Distanciamento Controlado. A primeira ocorreu no início de dezembro, na 32ª rodada, quando foi classificada, ao lado de Pelotas, com risco epidemiológico altíssimo para o contágio do novo coronavírus.

De acordo com o governo estadual, a região de Bagé recebeu novamente a classificação devido a combinação entre a piora na ocupação de leitos por pacientes com Covid-19 na macrorregião Sul e o fato da área apresentar bandeira preta no indicador de hospitalizações para cada 100 mil habitantes.

O sistema de cogestão permite que os municípios possam adotar protocolos próprios, mas no mínimo iguais à bandeira anterior. Das 21 regiões, apenas Uruguaiana e Guaíba ainda não aderiram ao sistema de cogestão regional.

O mapa definitivo desta rodada começa a ter vigência a partir da meia-noite desta terça até a próxima segunda-feira, dia 11 de janeiro.