Análise: Inter constrói vitória soberana e tem melhor início da década no Brasileirão

Dois jogos, duas vitórias e seis pontos na tabela. O Inter não iniciava o Brasileirão tão bem há 11 anos, desde 2009, sob o comando de Tite.

A frieza dos números dá ares quase irretocáveis à campanha colorada, uma semana após o trauma da derrota no Gre-Nal. Mas os 100% de aproveitamento não contam a história de uma atuação soberana para bater o Santos em casa por 2 a 0 nesta quinta-feira, pela 2ª rodada.

O que se viu do início ao fim num Beira-Rio de arquibancadas vazias – salvo jornalistas, dirigentes (nervosos e depois eufóricos) e um solitário Saci – foi um jogo de ataque contra defesa. Passada a turbulência, o Inter construiu uma vitória com a assinatura de Eduardo Coudet.

E olha que os gols demoraram a sair. Guerrero só foi abrir o placar aos 11 do segundo tempo. Ele mesmo ainda serviu Edenílson de calcanhar para marcar um golaço, já à beira dos acréscimos.

Mas antes de tudo isso a equipe já era soberana. Encurralava o Santos e empilhava situações de gol. As estatísticas dão uma ideia do que foi o jogo, disputado quase todo no campo de ataque colorado.

O Inter teve quase cinco vezes mais finalizações, trocou 110 passes a mais e fez quase o dobro de desarmes. Isso, mesmo tendo ficado quase o tempo todo com a bola. Na etapa inicial, a posse ultrapassou os 70%.

– Fizemos um bom jogo. Se deu o jogo como pensado, planejado. Simplesmente temos que seguir trabalhando. Pode melhorar. São muito parelhos os times no Brasileirão. Temos que sustentar uma ideia de jogo, uma forma. Desta maneira vamos nos sentindo cada vez melhores – analisa Coudet.

Fonte/G1

%d blogueiros gostam disto: